Melhores Crônicas, de Cecília Meireles, é o livro de junho do Todas por Elas na Literatura-em casa

A reunião online de leitura do dia 30/06 do Todas por Elas na Literatura, nesta quarentena de 2020, traz a seleção das melhores crônicas da escritora, jornalista e professora Cecília Meireles. Primeiro destaque feminino na literatura brasileira do início do século XX, considerada um dos grandes nomes da poesia, Cecília nasceu em 7 de novembro de 1901, perdeu os pais ainda criança e estreou na poesia em 1919, aos 18 anos, com “Espectros”. A escritora trouxe em sua obra as características do Simbolismo, último movimento das artes antes do Modernismo, que propunha um mergulho no espírito e a universalidade por meio do resgate dos símbolos. Cecília Meireles fez parte do grupo de poetas que marcou a chamada “Poesia de 30”, mas estudiosos como João Adolfo Hansen afirmam que ela era um “poeta moderno, mas não modernista”.

Cecília participou dos movimentos culturais e sociais de sua época e atuou de forma crítica no exercício do jornalismo. Na Educação, como pedagoga, defendia a escola pública, laica e obrigatória.

Melhores Crônicas, de Cecília Meireles, é o livro que encerra o primeiro semestre de leituras do Todas por Elas na Literatura e propõe uma conversa em torno da contemporaneidade do olhar da escritora em suas crônicas. O Todas por Elas na Literatura é o grupo de leitura de livros escritos por mulheres, do Instituto Mpumalanga na Casa Brasileira, que, neste momento, é realizado em formato online em virtude da pandemia.

O Todas por Elas surgiu com a “proposta de conectar mulheres em torno do empreendedorismo e o Todas por Elas na Literatura, em seu terceiro ano, visa fomentar a leitura e fortalecer a capacidade de diálogo e de participação social da mulher”, afirma a advogada Ana David, coordenadora do projeto. Em virtude dos riscos da COVID-19, as reuniões do Todas por Elas na Literatura estã em formato online, pela plataforma facebook.com/institutompumalanga do Mpumalanga. As reuniões presenciais iniciaram em 2018, na Casa Brasileira, espaço de cultura, arte e gastronomia do Instituto Mpumalanga, em São Sebastião, litoral norte de São Paulo, que está fechado ao público neste momento, em razão da pandemia.

Janaína de Figueiredo, curadora literária do Todas por Elas na Literatura, comenta o desafio de mergulhar na obra de Cecília neste momento histórico marcado pela pandemia da Covid-19. “No livro Melhores Crônicas nos defrontamos com uma das faces dessa escritora, o trabalho quase artesanal com esse gênero literário. As crônicas selecionadas nessa obra nos contam tanto sobre a vida de Cecília Meireles como sobre as suas reflexões a respeito de temas contemporâneos, como a educação: a importância da leitura, a biblioteca como espaço público de leitura, educação integral entre outros”.

A roda online do Todas por Elas na Literatura, da próxima terça (30/06), a partir das 19h, será pela plataforma Facebook do Instituto Mpumalanga e terá como convidadas:

Dayse Mara
Ramos da Silva,

Mestre em Letras e Professora de Línguas, Doutoranda em Educação (PUC-SP), Mestre em Letras (USP-SP), especialista em Ensino de Língua Italiana a Estrangeiros pela Università per Stranieri Dante Alighieri (UNISTRADA-Itália) e licenciada em Letras pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). Professora na educação básica (Colégio São Luís) e no ensino superior (Instituto Singularidades).

Denise
Guilherme,

Mestre em Educação e professora de Literatura. Idealizadora da Taba, empresa especializada em curadoria de livros infantis e juvenis, com foco na formação de leitores. Professora do Curso de Pós Graduação Literatura para crianças e jovens, do Instituto Vera Cruz, em São Paulo. Foi jurada do Prêmio Jabuti em 2019, na categoria livro Infantil, e do Prêmio SESC Criança de Literatura Infantil, em Santa Catarina, no mesmo ano.

Cristiana
Santana Moreira,

Mestre em Educação, graduada em Pedagogia e especialista em alfabetização, administração escolar e psicopedagogia. Atuou como coordenadora pedagógica na educação básica, foi professora do ensino fundamental e do Programa Formando Professores Alfabetizadores no município de São Paulo. Atua no terceiro setor em projetos de incentivo à leitura e EAD.

A obra de Cecília Meireles segue sendo analisada sob diferentes ângulos, que contrapõem o pensamento da autora aos dilemas da atualidade. No livro A farpa na lira: Cecília Meireles na Revolução de 30 (1996), a pesquisadora Valéria Lamego chama a atenção para o pensamento social da escritora na época, com o trecho de uma crônica publicada por Cecília em 1932, em que a autora dizia:

Por mim, só tenho, sem discussão, a consciência da responsabilidade, o desejo da ação e uma confiança perfeita no poder da vontade desinteresseira”.

Cecília Benevides de Carvalho Meireles morreu no dia 9 de novembro de 1964, no Rio de Janeiro, aos 63 anos de idade.

SERVIÇO: TODAS POR ELAS NA LITERATURA – EM CASA
Reunião online sobre a obra
Melhores Crônicas Cecília Meireles

GRATUITO | Dia: 30 de junho/2020
Horário: 19h às 20h30
Faixa etária sugerida: 14 anos
Local- Facebook do Instituto Mpumalanga
Coordenação: Ana David
Curadoria Literária: Janaína de Figueiredo
Informações: ( + 11) 9 98388794

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp