Papa-Figo: O Mito Rural Brasileiro sobre Vitalidade e Renascimento

Preste atenção! O Papa-Figo vai comer o seu figo, se não ficar quieto: se desobedecer ao pai; se desobedecer à mãe. Vai comer o seu figo! – e as crianças de muitas regiões rurais do Brasil, sobretudo de Pernambuco, Ceará e Paraíba, logo compreendem que este homem velho, alto, de roupas sujas e desalinhadas, não está interessado em se deliciar com o fruto (ou a flor) com que nos presenteiam as figueiras. Não, elas compreendem o alerta: Papa-Figo pode aparecer repentinamente em suas vidas, retirá-las de suas famílias e enfiá-las num saco com o único propósito de devorar seus fígados.

Trata-se de uma lenda bastante apavorante. Mas qual a sua origem? E qual a razão para ter surgido?

O estímulo ao medo para impor regras e estabelecer limites, incluindo territoriais, não é um grande diferencial desta lenda, sendo recurso recorrente de todos os tempos e regiões do mundo: lembram-se dos perigos que a floresta reservava para Chapeuzinho Vermelho? – neste caso, os camponeses europeus lançavam mão do temido Lobo Mau.

As lendas e histórias surgem no campo e entram no imaginário infantil.

As lendas e histórias surgem no campo e entram no imaginário infantil.

As tradicionais cantigas de ninar, também oriundas do campo, têm o mesmo tom provocador de terror: “Nana neném que a cuca vem pegar; papai foi pra roça; mamãe foi trabalhar” ou, ainda, “Boi, boi, boi Boi da cara preta, pega esta criança que tem medo de careta.”

A segurança de sua prole sempre foi uma preocupação constante dos trabalhadores do campo, pois as longas e intensas horas de trabalho os distanciam de uma convivência mais próxima com os filhos. Talvez esteja aí uma possível causa para esta forma de cuidar: fazendo uso de histórias contadas e cantadas a sugerir perigos simbólicos, externos e rotineiros.

Óbvio que muitos já se debruçaram sobre as prováveis causas e consequências desta forma de educar, mas não é este o objetivo deste breve texto. Aqui, o que mais interessa é o registro cultural de uma maneira de criar e narrar lendas que, embora tenha características universais, encontra no Brasil traços muito peculiares.

As histórias, ainda que assustadoras, ajudam no fortalecimento de tradições e educação de crianças.

As histórias, ainda que assustadoras, ajudam no fortalecimento de tradições e educação de crianças.

Quanto ao Papa-Figo, há nele um dado de verossimilhança que o torna ainda mais medonho que todos os lobos e gigantes de cinco olhos: ele é um homem doente e precisa comer fígados de crianças para se curar. O que pode ser mais assustador que isto?

As características verossímeis de Papa-Figo se, por um lado, causam impressões bastante ruins, por outro, revelam um talento muito próprio de nossos narradores rurais: um jeito envolvente e, a meu ver, delicioso de descrever uma lenda ou narrar um “causo”, dando a entender que ele (narrador), ou alguém próximo a ele, é testemunha viva do que se está narrando. Afinal, Papa-Figo é uma lenda bem possível de ser real.

Outra constatação fascinante é o fato de o fígado ser um dos órgãos mais complexos e importantes para o nosso metabolismo, considerado por algumas correntes espiritualistas como o órgão capaz de gerar a coragem que transforma ações pensadas em ações consumadas. Ou seja, é possível que haja um conhecimento empírico do camponês sobre a importância desse órgão. Conscientemente ou não, o camponês cria e recria uma lenda em que, num sentido metafórico, pode servir de alerta sobre o perigo de perdermos, ao longo da vida, a vitalidade e a coragem que possuímos enquanto crianças (cuidado com o mal que nos rouba a força de viver!). Talvez não seja uma mera coincidência sua semelhança com o mito grego de Prometeu: aquele que foi acorrentado a uma rocha pelos deuses e tem seu fígado devorado por uma ave de rapina durante o dia, por toda a eternidade. Todas as noites, seu órgão se regenera totalmente numa perene reconstrução da vitalidade humana.

As crianças crescem com as fantasias das histórias, porém elas não a afastam da realidade.

As crianças crescem com as fantasias das histórias, porém elas não a afastam da realidade.

Nada mais significativo para representar a força vital de nossos trabalhadores rurais que, apesar das inúmeras condições adversas, não desistem nunca da luta por uma vida digna, tal como traduz o saudoso Patativa do Assaré:

Eu sou de uma terra que o povo padece
Mas não esmorece e procura vencer.
Da terra querida, que a linda cabocla
De riso na boca zomba no sofrer
Não nego meu sangue, não nego meu nome
Olho para a fome, pergunto o que há?
Eu sou brasileiro, filho do Nordeste,
Sou cabra da Peste, sou do Ceará.

Voltando ao nosso Papa-Figo, é muito precioso este registro de Abraão Batista, abrindo-nos várias possibilidades de reflexão:

Papa-figo assombrava
Somente com o seu nome
Se os grandes tinham medo,
E das crianças, nem se tome
Pois o pavor era maior
Do que se morrer de fome.

O papa-figo era um homem
Por um rico encomendado
Para caçar fígados jovens
Para curar um leprado
Porque o doente era rico
Vivia sempre guardado.[1]

 

Não se sabe exatamente a origem da lenda, há registro em Câmara Cascudo[2] e em Gilberto Freyre[3], mas, sabe-se, que foi adquirindo várias faces como toda boa lenda, e hoje inspira letras de forró e de frevo por todo o nordeste. Letras que, embora divertidas e alegres, jamais menosprezam os perigos do temível Papa-Figo.

 

Screen Shot 2017-05-19 at 12.14.33


Alexandra Pericão

Professora do Instituto Mpumalanga, Alexandra atua na oficina Jovens Autores, dentro do projeto Caravana das Artes. É escritora, colecionadora e contadora de histórias daqui e dacolá!

 

 

 

[1] Folclore n 63. Centro de Estudos Folclóricos, Recife (BATISTA, 1978, apud CASCUDO, C. Dicionário do Folclore Brasileiro, 9ª. ed. Global Editora,  2000, P. 477)
[2] CASCUDO , C. Dicionário do Folclore Brasileiro, 9ª. ed. Global Editora,  2000, P. 477
[3] FREYRE. G. Assombrações do Recife Velho, 4ª. ed., Ed. Record, 1987,  p. 81 e 82.